Metro de São Paulo: Fazendo novos caminhos subterrâneos

A cidade de São Paulo, no sudeste do Brasil, não é apenas a maior cidade da América do Sul, mas também tem fama de ser uma das maiores cidades do mundo, por área e população. Com cerca de 22 milhões de pessoas populando a cidade em cada dia útil, e sua área cobrindo aproximadamente 8.000 quilômetros quadrados, é verdadeiramente uma megacidade moderna e o coração pulsante do Brasil.

 

Naturalmente, a o sistema público de transporte tem um desafio considerável no fornecimento de condução para tantas pessoas. O Metrô de São Paulo, a rede subterrânea da cidade, comemora 50 anos neste ano. Com uma grande extensão de linha em andamento, agora é um excelente momento para examinar mais de perto o sistema que se tornou parte integrante da vida na da cidade, no último meio século.

 

50 anos de crescimento

A Companhia Metropolitana de São Paulo foi fundada em abril de 1968, numa época em que São Paulo era uma cidade notavelmente diferente da de hoje em dia que existe hoje. Na época, o país continha cerca de um terço da população atual, bem como as pessoas entravam e saíam do centro da cidade em "fuscas" (Volkswagen Beatles), ônibus urbanos e regionais.

 

A chegada da primeira linha do metrô, de norte a sul, em 1972, mudou permanentemente a dinâmica da maior cidade da América do Sul. No entanto, a segunda linha - a linha vermelha, que corre aproximadamente de leste a oeste - não chegou até 1979. Esta ainda é de longe a linha mais movimentada, conectando alguns dos maiores bairros de São Paulo ao centro da cidade.

 

Uma terceira linha (a linha verde, ligando o famoso bairro da Vila Madalena ao centro da cidade) foi introduzida em 1991, no início do milênio - ao mesmo tempo em que o Brasil iniciara sua fenomenal ascensão econômica. Aqui, o investimento real começou a acontecer no Metrô de São Paulo.

 

Assim, novas linhas foram rapidamente introduzidas, mais significativamente as linhas de trem lilás (linha 5) e amarela (linha 4) em 2001 e 2010, respectivamente. Ressaltando que, a chegada da linha prata (linha 15) em 2014 foi o primeiro serviço de monotrilho na América do Sul.

 

O fato de o metrô ter crescido de apenas 3 linhas para 5, acrescendo, ainda, algumas linhas de trem, linhas em construção e em planejamento, desde o ano de 2001, explica sobre a atual e surpreendente jornada que o Metrô de São Paulo se encontra.

 

Expansão

Uma pesquisa realizada pela empresa Accenture, contratada pelo Metrô de São Paulo para consultoria estratégica, mostra que é necessário aumentar drasticamente o número de estações e linhas para atender às demandas da cidade.

 

Destinado a cumprir estes requisitos, o investimento total no metrô está aumentando ano a ano. Somente em 2017, os investimentos totalizaram mais de 2 bilhões de reais (aproximadamente 500 milhões de dólares), usados ​​para reforma e modernização de linhas já existentes, além de expansão e construção denovas linhas - cujas evidências podem ser vistas por toda a cidade.

 

Extensões, Expansões e Excelência

O Metrô de São Paulo, que já pode afirmar ser (tirar) o mais moderno do gênero na América do Sul, continua com o processo de modernização e expansão se modernizando e se expandindo, com três novas estações atrativas adicionadas ao longo da linha amarela nos últimos dois anos, facilitando milhões de chegadas mais rápidas na cidade a cada ano.

 Os moradores da cidade irão se deparar com novas estações abrindo em uma base razoavelmente regular.

 

Ainda, a expansão da rede incluirá uma nova linha do Aeroporto Doméstico de Congonhas - na periferia dos principais distritos de negócios da cidade - até ao Estádio do Morumbi, a famosa casa do São Paulo Football Club.

 

Destaca-se que em 2018, conquistou o melhor transporteem São Paulo pelo quarto ano consecutivo, em pesquisa de opinião pública realizada pela empresa local Datafolha. Para comemorar os 50 anos da cidade, organizou um programa cultural, que acontecerá em maio, destacando a contribuição que deu ao progresso da cidade.

 

Fornecedores e Parceiros

O grande tamanha do Metrô de São Paulo e suas ampliações contínuas, significam que a empresa convoca diversos parceiros e fornecedores nacionais e internacionais para alcançar a excelência. O A principal dela(e)s é o escritório local da empresa Accenture, uma empresa de consultoria dos EUA, (a qual) que ajudou a desenvolver medidas estratégicas para os próximos anos.

 

(Ademais), os serviços de construção em andamento são fornecidos pelas firmas brasileiras Guima Conseco Construção, Serviços e Comércio, que trabalharam na linha 3, a CAF Brazil Indústria e Comércio, que trabalhou nas linhas 1, 3 e 5, e a Odebrecht, que esteve envolvida em um grande número de obras de construção em toda a rede.

 

As operações de engenharia significativas foram atendidas principalmente por empresas locais como a Adtranz Sistemas Eletromecânicos e a Galvão Engenharia, além de firmas internacionais de renome como a Bombardier, Siemens, Thyssenkrupp e Alstom - todas contribuindo para tornar o Metrô de São Paulo uma rede subterrânea condizente com uma megacidade global.

 

Muito feito, mais para fazer

Qualquer pessoa que já tenha estado em São Paulo, não pode deixar de ficar impressionado com seu tamanho de tirar o fôlego. Tanto quanto os olhos podem ver, existem arranha-céus que se estendem para todos os lados. Uma cidade desse deste tamanho, sem metrô, seria impossível imaginar. O Metrô de São Paulo assumiu a responsabilidade de garantir que o metrô de São Paulo tenha obras para os milhões de paulistanos (como são chamados os locais) que precisam dele.